VII Jogos da CPLP - Voleibol de Praia: Apresentação das duplas portuguesas

voleibolOs Jogos da CPLP – Comunidade de Países de Língua Portuguesa, cuja 7.ª edição se realiza de 29 de Julho a 7 de Agosto do corrente ano, em Moçambique, reúnem cerca de cinco centenas de atletas de 8 países lusófonos – Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Macau participa como convidado –, incluem praticantes de Andebol, Atletismo, Desportos para pessoas com deficiência, Basquetebol, Futebol, Ténis e Voleibol e destinam-se a jovens até aos 16 anos, salvo no desporto para pessoas com deficiência, cujos participantes tem a idade máxima de 20 anos.

A participação do Voleibol de Praia português nos Jogos da CPLP tem já fortes tradições. Este ano, a Delegação de Voleibol será composta pelo Chefe de Delegação, Carlos Prata (Responsável pela Formação na FPV), o Treinador Sérgio Soares, os atletas Inês Pereira, Vanessa Paquete, Luís Gomes e Diogo Maia e a árbitra Maria Michelle Ferreira.

A delegação parte no dia 27 de Julho (18h05 / 8h20 Lisboa-Maputo) e regressa no dia 8 de Agosto (11h00 Lisboa / 11h55 Porto)

Henrique Gomes, director federativo e habitual chefe de delegação dos voleibolistas portugueses aos Jogos estará, este ano, a exercer as funções de Director de Competição no Mundial de Sub-19, a disputar de 27 de Julho a 1 de Agosto na cidade do Porto, mas salienta o papel importante que a competição desempenha como experiência cultural e desportiva na vida dos jovens:
“É tradição da Federação Portuguesa de Voleibol participar nestes torneios, que têm uma componente muito importante de convívio e de confraternização com povos que falam português, daí todo o interesse como experiência para os jovens atletas.
Naturalmente, a parte desportiva também é importante, pois temos tradição e é evidente que Portugal estará lá para discutir o primeiro lugar.

Uma das características que têm estas selecções de Voleibol de Praia [CPLP e Mundial de Sub-19] é que estamos a participar com atletas abaixo do escalão, ou seja, nos CPLP deviam jogar miúdos de 16 anos e os nossos representantes têm 15 anos; para os Sub-19, deviam ter 18 anos e os nossos atletas têm 17 anos.

Isto é muito bom, pois estamos a preparar jogadores para o Circuito Nacional, estamos a dar-lhes condições para serem melhores jogadores no futuro. A Federação dá o primeiro impulso e quem tiver qualidade e condições pode ir mais longe e seguir uma carreira internacional”.

Em relação ao Mundial de Sub-19, Henrique Gomes reconhece:
“É um esforço grande que a FPV faz em continuar o trabalho dos Centros de Formação, neste caso dando possibilidade a mais duplas de continuarem a participar em eventos internacionais tão importantes como o Campeonato Mundial.

Esperamos que as duplas tenham um comportamento digno e consigam o melhor resultado possível. Se conseguirem passar para a segunda fase, ficaremos muito satisfeitos, pois temos consciência que vamos defrontar os melhores jogadores do mundo, alguns deles já são profissionais ou semi-profissionais, com muitos anos de experiência.

Não vai ser fácil, mas o trabalho que tem vindo a ser realizado pelos treinadores da FPV tem sido muito bom e vamos agora poder aferir os resultados.

Para a maior parte dos nossos representantes é uma oportunidade quase única, pois daí para a frente não vai ser fácil terem outras participações internacionais”.

Fonte: FPVoleibol 25/07/2010